Ir para o conteúdo

Colapso nas áreas de TI e inovação também será motivo para crescimento pessoal e profissional

De acordo com o estudo “Cenário pós-vacina: o que podemos esperar dos negócios?”, realizado pela HSM, em parceria com o Learning Village, BRAngels e FirstCom, existe uma expectativa otimista entre os empresários para a retomada da economia no Brasil, após a imunização coletiva. Foram entrevistados 320 empresários e executivos em cargos de liderança e 76,9% deles acredita que, após todos estarem imunizados contra a Covid-19, será possível a retomada econômica do país. Se confirmado, este cenário pode ajudar os 14.805 milhões de desempregados no Brasil que, por sua vez, podem focar em duas áreas que precisam de mão de obra qualificada: TI e inovação. 

Já falamos por aqui sobre a grande tendência de crescimento da área de TI que, ainda antes da pandemia, vinha sendo desenhada, mas que com a chegada dela, deu um salto exponencial e, assim como as empresas especializadas precisaram se reinventar para atender a grande demanda, outras empresas, de diversas áreas, precisaram investir em tecnologia da informação, para poder continuar em operação. 

Veja mais sobre as áreas de investimento para TI:  
https://www.matrix.com.br/areas-de-investimento-para-ti/

Porém, há algum tempo, existem muito mais vagas da área de TI em aberto que mão de obra qualificada neste mercado. Se há três anos, o número de vagas do setor era de 100 mil, a previsão é de que em 2021 o mercado vai experienciar o dobro de vagas em aberto e, até 2024, serão 300 mil postos de trabalho com déficit entre 30 e 40 mil vagas. 

A área de inovação, por sua vez, está começando a receber os primeiros profissionais dedicados, que já são muito disputados por grandes empresas. Afinal, estes profissionais precisam ter uma qualificação ampla, completa e diferenciada e também não são muitos. 

Tudo isso para te contar que a expectativa é de colapso no setor. Afinal, a grande demanda de profissionais de TI e inovação tende a aumentar. A mesma pesquisa, mostra que 56% das empresas participantes devem ampliar os investimentos em TI e 25% delas em inovação. Outros números que comprovam a busca por melhoria destas áreas são os 37% dos empresários dispostos a investir em capital de risco e 47% em investimentos-anjo após a pandemia. 

No entanto, a procura por qualificação no setor não tem expectativa de aumentar. O que significa que quem já está nestas áreas, ou está muito sobrecarregado, passando por um estresse por cobrança de resultados e performance, ou muito disputado pelas empresas. Além disso, acontece, também, de profissionais acabarem pulando etapas naturais de crescimento (inerentes a qualquer profissão) e, muitas vezes, quem ainda é júnior, é tratado como pleno, mas se acha sênior. 

A solução para este colapso, no entanto, não é imediata. Será necessário conviver com este cenário escasso de mão de obra qualificada e, para médio e longo prazo, investir na qualificação dos profissionais que já estão no mercado, bem como incentivar as novas gerações a terem comportamentos que também são necessários para os profissionais de TI e inovação, como a facilidade para acompanhar e desenvolver raciocínios lógicos, gostar de analisar dados, entre várias outras habilidades que vão além do conhecimento técnico da área.  

>> Conheça alguns pré-requisitos para o profissional de TI e Inovação: 
https://www.matrix.com.br/aquecimento-do-mercado-de-trabalho/

Apesar das dificuldades que a área está enfrentando, também é possível enxergar oportunidades de crescimento como um todo. Afinal, para melhorar o mercado de trabalho é preciso que as gerações atuais criem futuras gerações mais aptas a perceber e transpor obstáculos de forma leve e (por que não?) divertida. 


Alexandro Castelli
Diretor de Produtos