Ir para o conteúdo

O que é Cloud First?

A essa altura, você e sua empresa passaram pela transformação digital, estão imersos no mundo Digital First e entendem que o cenário de interseção entre o físico e o digital “phygital”, considerada a maior tendência de relacionamento entre marcas e pessoas, no mundo todo, tende apenas a se aprofundar. Se esta é, de fato, sua experiência, sabe que o próximo passo é entender o cenário Cloud First. 

Exatamente. Cloud First significa colocar a nuvem em primeiro lugar e, assim, ser capaz de usar serviços e recursos mais recentes, o mais rápido possível. As soluções em nuvem reduzem radicalmente o tempo e o esforço necessário para implantação de novos sistemas, pois contam com recursos auto-deploy, onde o usuário-final adere ao sistema através de console web. Note que todos os fabricantes de software, hoje só lançam novas tecnologias através da nuvem, o que garante que as empresas que aderem ao serviço na nuvem sejam as primeiras a usufruir dessas inovações. 

Significa que equipes de TI que já estão preparadas para desenvolver na maioria das plataformas de software diretamente na nuvem (Platform as a Service – PaaS e SaaS –  Software as a Service) estarão sempre à frente daquelas que continuam pensando em investimentos de TI do tipo Capex, e desenvolvimento proprietário de soluções. Nesse novo cenário phygital, onde o físico e o real se fundem, o direcionamento estratégico das equipes de desenvolvimento deve ser a integração entre plataformas SaaS, PaaS e sua infraestrutura de back-end: Hybrid IT.  

Afinal, desde o dono da empresa, passando por colaboradores e chegando até o público final, todos querem e precisam de uma boa experiência na sua rotina de trabalho ou consumo de serviços digitais. Lembre-se: uma experiência digital incrível  é antes de tudo segura. Previna-se contra sequestros de dados com múltiplas camadas de proteção, e mecanismos que garantam uma recuperação rápida dos dados de sua empresa, caso o pior aconteça.

Resiliência digital: garantir que a marca e a empresa estejam protegidas, adotando uma postura preventiva contra compartilhamento de senhas de acessos, utilizando múltiplos fatores de autenticação e criptografia de dados como documentos e arquivos em geral, mas também de backups.

>> Saiba mais sobre cibersegurança, proteção de dados e resiliência digital aqui

Além disso, vale lembrar que se a empresa está apenas começando, adotar o conceito de nuvem lá na concepção do projeto aumenta as chances de ter ganhos financeiros, redução de custos e eficiência operacional para a empresa logo no início.  

Afinal, com a força de trabalho migrando cada vez mais para o estilo remoto, garantir o acesso às informações necessárias para o funcionamento diário da empresa, novamente frisando a segurança do compartilhamento de dados, considerando um perímetro de abrangência ilimitada, mostra que o empreendimento está atento às movimentações do mercado de trabalho e o coloca à frente da concorrência.     

A estimativa é de que 90% das empresas usam a tecnologia de nuvem, de forma direta ou indireta, sendo que 80% utiliza a estratégia Cloud First. O que significa que o serviço de computação em nuvem está aumentando e expandindo significativamente. 

No entanto, os líderes de TI devem determinar a melhor infraestrutura para a empresa, de acordo com o perfil dela. A quantidade de aplicativos, sistemas e recursos de uma empresa, em geral, é grande. Assim, não existe uma única solução de cloud que atenda às necessidades da empresa. 

>> Veja alguns desafios para a adoção da estratégia de nuvem

A evolução do Cloud Computing faz com que a área da tecnologia da informação esteja em processo de transformação constante. Logo, o que hoje é conhecido como Cloud First, nos próximos anos migrará para Cloud Only, ou seja, estratégias de aplicações e desenvolvimento totalmente na nuvem, sem práticas offline. 

Apesar de em menor quantidade, considerando as taxas históricas de crescimento de utilização da nuvem, esta realidade não deve demorar para tomar conta de todo mundo: grandes, médias e pequenas empresas que logo farão a migração de recursos e serviços de Cloud First para Cloud Only. 

Mas, calma. Assim como a migração das cargas de trabalho para a computação em nuvem é feita com estudo e estratégia, para o Cloud Only também precisa ser gradual e assertiva, oferecendo “ondas de transição” contínuas, considerando a adaptação de aplicações legadas para acesso http.

Agora que você já sabe da importância de estar atento ao estilo de Cloud First e, até mesmo, Cloud Only, para sua empresa, fale com especialistas da Matrix. Eles podem te ajudar e tirar dúvidas que podem surgir ao longo do caminho.


André Tellini
Gerente de Produtos